Sala de Armas

O 2º Visconde de Pindela, Vicente Pinheiro Lobo Machado Melo e Almada, nasceu em Guimarães em 23 de abril de 1852 e faleceu em Pindela, Famalicão, em 14 de abril de 1922. Estudou em Coimbra tendo sido bacharel em direito, escritor e genealogista. Profissionalmente seguiu a vida diplomática, exercendo os cargos de Governador das Ilhas de S. Tomé e Príncipe, Ministro Plenipotenciário em Haia e mais tarde Ministro de Portugal em Berlim. Foi ele que conseguiu que o Imperador Guilherme II, da Alemanha, visitasse Portugal em 1905, uma época de enorme tensão política nacional e internacional.

Herdou o título de Visconde, por doação de seu pai, e a casa de Pindela localizada na freguesia de S. Tiago da Cruz, pertencente ao concelho de Vila Nova de Famalicão. Conviveu com ilustres personalidades da cultura, da política e da diplomacia da época, como Eça de Queirós, Ramalho Ortigão, Conde de Ficalho e Alberto Sampaio. Seu amigo, o poeta e diplomata António Feijó, foi um dos assíduos visitantes de Pindela.

Ao longo da vida foi reunindo uma relevante coleção de armas, com as quais decorava os espaços da sua Casa.

Foi Dona Margarida Helena Felgueiras Cardoso Martins de Meneses, 3ª Viscondessa de Pindela, que levou a proposta de venda da coleção de armas do 2.º Visconde de Pindela à Presidência do Conselho de Ministros, proposta esta que transitou para os Ministérios da Educação Nacional e das Finanças, em cujo parecer interveio Alfredo Guimarães e possivelmente o Eng. Duarte do Amaral.

Em 1942 as peças acabaram por integrar a coleção do Museu de Alberto Sampaio, tendo, em 1959, transitado para o Paço dos Duques de Bragança.

Esta coleção, composta principalmente por armas brancas, de fogo e elementos de armaduras “foi uma das mais importantes coleções privadas de armamento que se reuniram no Norte de Portugal no séc. XIX e inícios do Séc. XX”. (Mário Jorge Barroca, Armamento medieval no espaço português, 2000. P. 261).