Monte Latito: Jardins

A primeira referência a Monte Latito (Montis Latito), ou seja, Monte Largo, data de 951 e surge na doação da vila de Melres ao Mosteiro de Guimarães. Anos mais tarde, em janeiro de 959, volta a ser mencionado no testamento de Mumadona Dias (Alpe Latito), e de novo em 961 (Monte Latito) e 968 (Alpe Latito).

Monte Latito é, pois, um topónimo usado na Idade Média para designar uma área cujos limites não conhecemos, mas na qual se incluía o Castelo de Guimarães.

Hoje o termo é utilizado para denominar o espaço ajardinado que circunda o Castelo, a Igreja de S. Miguel e o Paço dos Duques de Bragança. Com cerca de 39,000 m2, serve como espaço de lazer e de circulação pedonal entre os três monumentos nacionais.

Adaptado à colina, sem grandes movimentos de terras, o parque apresenta amplos relvados e frondosas árvores que embelezam toda atmosfera. O espaço é caracterizado por um conjunto arbóreo bastante denso e diversificado onde se destacam os plátanos, castanheiros, castanheiros da Índia e ciprestes.

Recentemente reabilitado, este parque conhece hoje renovadas condições de usufruto do seu espaço e uma maior valorização dos seus elementos edificados de maior reconhecimento e interesse.

Neste parque, e na estrada principal junto aos Paços dos Duques, a escultura de D. Afonso Henriques da autoria de Soares dos Reis, recebe com garbo os visitantes.